Gerdau investe em inovações sustentáveis para o setor automotivo

A sustentabilidade tem sido a base do avanço tecnológico no setor automotivo nos últimos anos. Diante disso, as empresas buscam aprimorar produtos e processos visando o aumento de eficiência e redução de custos na cadeia de produção. Pensando nos atuais desafios da indústria, a Gerdau, uma das principais fornecedoras de aços para o setor automotivo, anunciou uma série de parcerias com as organizações IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas), CBMM (Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração) e Instituto SENAI de Inovação para o desenvolvimento de novas soluções, com um aporte de cerca de R$ 1 milhão.
“Fomentamos a inovação por meio de iniciativas de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) para que tragam benefícios para toda a cadeia de valor. Na Gerdau, buscamos estabelecer uma comunicação permanente com o setor automotivo, sendo referência na oferta de soluções em aços especiais e queremos ser a marca mais lembrada pelas montadoras no desenvolvimento de novos motores e veículos”, destaca Carlos Daroit, gerente de Tecnologia de Aços Especiais da Gerdau.
Uma das tendências deste mercado é o aumento da durabilidade de seus componentes. Esse comportamento se dá pela ampliação do período de garantia dos veículos. E para cumprir esses objetivos, o estudo e desenvolvimento da aplicabilidade dos aços limpos, que apresentam redução na densidade, na área e na severidade das inclusões, é de grande importância, pois apresentam maior resistência à fadiga, quando comparados aos aços convencionais, o que implica em maior durabilidade.
O desenvolvimento de aços bainíticos é outro tema estudado para ser empregado na confecção de diversos tipos de peças de motores de veículos leves e pesados, tais como virabrequins e bielas. Trata-se de aços para forjamento a quente com estrutura bainítica sob resfriamento contínuo, combinando alta resistência mecânica e alta tenacidade, possibilitando aumento de vida em fadiga, redução de peso e eliminação de etapas de tratamento térmico durante o processo produtivo.

Deixe uma resposta