Scania acredita em 5 mil unidades vendidas em 2017

A Scania acredita que baterá a meta de vendas de caminhões estipulada para este ano pela sua área comercial: 5 mil unidades, ou 20% de crescimento sobre o volume de vendas do ano passado, quando vendeu 4 mil 425 caminhões no País.

Segundo Roberto Barral, diretor geral da companhia, a expectativa se torna mais real diante de três fatores que provocarão reflexos nas vendas e proporcionarão o crescimento esperado: a possibilidade de renovação da frota de empresas do agronegócio, a retomada em segmentos fora de estrada, como mineração, e o fato de 2018 ser um ano eleitoral.

“Bateremos as 5 mil unidades este ano. As vendas da empresa estão crescendo mensalmente, ao passo que o mercado ainda se recupera de índices negativos. O fato é que a curva das vendas voltou a subir e enxergamos possibilidades de negócios no campo, com entregas para a safra de 2018 e mineração e há esperança de começarem obras de infraestrutura que estavam paradas”.

Em mineração, por exemplo, a empresa avançou com o lançamento de um novo modelo off-road, o Heavy Tipper, em agosto. Até a primeira quinzena de setembro foram vendidas 73 unidades no País, e a Scania espera vender quinhentas em 2018 dada a expectativa em torno dos negócios de mineração.

No período de janeiro a agosto a Scania apresentou evolução positiva do volume de venda no mercado interno. Foram 3 mil 233 caminhões, quantidade 12,1% maior do que a vendida no mesmo período do ano passado, 2 mil 884. Caso as vendas superem o patamar das 5 mil unidades será um desempenho parecido ao verificado em 2015, quando a empresa vendeu 5 mil 224 veículos pesados.

Os números do setor divulgados pela Anfavea, em agosto, mostraram que a Scania foi a única empresa a não apresentar queda no volume de vendas. A Volvo, que também tem produtos do segmento de pesados, embora tenha vendido mais, 3 mil 355 unidades, teve desempenho 13,8% menor do que o apresentado no mesmo período em 2016.

As demais concorrentes do setor que possuem portfólio mais amplo do que a dupla sueca também venderam menos na comparação com o ano passado: a Mercedes-Benz licenciou 10,5% a menos, 8 mil 989 unidades, e a MAN 16% a menos, 8 mil 109 unidades.

Fonte: Autodata

Deixe uma resposta