Encontro debate inovação tecnológica na indústria automotiva no brasil

O setor automotivo tem sido responsável por ser o grande gerador de boas notícias para a economia brasileira. Depois de longo período de crise, o segmento dá sinais de recuperação. De acordo com dados da Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), as vendas cresceram 5% no acumulado do ano no período de janeiro a agosto. A expectativa é que em 2018 o mercado siga tendência de alta.

Dentro desse cenário positivo, todos os setores que fazem parte da cadeia automotiva também se beneficiam. Um exemplo é a indústria de manufaturas. Por conta disso, as empresas Festo, Cognex, Heidenhain/Diadur, Kuka, National Instruments e Siemens realizaram na última quinta-feira (21/9) em Santo André, ABC Paulista, um encontro para abordar de forma prática temas relativos à flexibilidade de produção, integração de tecnologias e as inovações para o segmento automotivo.

O 2° Workshop Inovação Tecnológica na Indústria Automotiva teve como um dos pontos principais de discussão o papel da Indústria 4.0 para melhorar processos, otimizar a produção, conectar as aplicações e ampliar a competitividade. Segundo pesquisa da Accenture e ARC Advisory Group, divulgadas no encontro, 95% das empresas esperam adotar IIoT dentro de três anos.

Keynote speaker do evento, Celso Placeres – Diretor de Engenharia de Manufatura da Volkswagen América do Sul – disse que a adoção da indústria 4.0 no Brasil virou questão de sobrevivência para o futuro. “Se olharmos para um passado recente, em 2009, a indústria brasileira estava na quinta posição no ranking mundial de competitividade. Em 2016, o País caiu para a 28ª posição”, comenta.

De acordo com ele, o setor automotivo está dando sinais positivos de melhora. “Mesmo com o cenário político ainda adverso, o mercado está encontrando meios próprios de recuperação e, de fato, a tendência é de retomada”, acredita Placeres. Durante sua palestra no evento, o executivo frisou que a indústria é o segmento da economia de maior capilaridade para a geração de empregos.

Placeres destacou ainda seis pontos essenciais para as empresas que querem implantar a cultura de indústria 4.0. São eles:

1 – Seja simples (no primeiro momento, não busque a tecnologia mais moderna do mercado);

2 – Comece pequeno e adopte estratégia de longo prazo;

3 – Selecione parceiros certos;

4 – Reavalie seu negócio;

5 – Desafie seu modelo de negócios

6 – Inove sempre

Painéis do workshop

Os participantes do evento tiveram a oportunidade de ter contato com aplicações criadas pelas empresas organizadoras sob o conceito da Indústria 4.0. Além disso, também puderam ter acesso às mais recentes novidades do tema expostos nos painéis de palestras. Confira:

“Usando uma abordagem baseada em plataforma para criar a Internet das Coisas Industrial (IIoT) e a Indústria 4.0” – National Instruments

“Benefícios da integração de tecnologias para o desenvolvimento de soluções na indústria automotiva”- Festo

“Sistemas de visão trazendo flexibilidade em processos automáticos” – Cognex

“Digital Twin: Apoio às decisões, redução de riscos e do tempo de ciclo de produtos”- Siemens

“Tendências e novas tecnologias robótica na indústria automotiva” – Kuka

“Flexibilização do controle dimensional através de sistemas de medição de alto desempenho” – Heidenhain

Deixe uma resposta