A Black Friday e o comércio eletrônico no Setor de Autopeças

O dia 24 de novembro, a sexta-feira das grandes promoções, deve movimentar as vendas de autopeças no Brasil.

Tradicional evento do comércio nos Estados Unidos, a Black Friday já conquistou seu espaço também por aqui, no Brasil. E, em um momento no qual o comércio eletrônico cresce no Setor de Reposição Automotiva, a data se tornou um potencial aliado dos distribuidores e varejistas de peças e partes, sobretudo, nas vendas online.

Os preços promocionais e as vantagens nas compras já tiveram destaque nos anos anteriores – apesar do momento da economia – e, em 2017, devem alcançar um novo patamar. Os números devem ser puxados para cima devido ao constante crescimento de toda a cadeia ao longo deste ano.

Em 2017 o Setor de Autopeças conta com um movimento mais perceptível em busca de maior presença online. O Grupo Universal/Univel e a Centerparts são exemplos de empresas que investiram nesse modelo de negócios. Além de grandes distribuidoras que já estiveram presentes na Black Friday em 2016 e contam com seus próprios ambientes virtuais, neste ano deve haver participação de mais varejos em plataformas como o Mercado Livre, por exemplo, onde os pequenos e grandes varejistas vendem seus produtos.

Vai participar? Fique atento a essas dicas: 

A primeira coisa que deve ficar clara para quem vai participar vendendo pela internet é que deve haver um planejamento adequado. Os consumidores buscam, cada vez mais, informações sobre quem está vendendo para garantirem uma compra segura.

De acordo com dados da Ebit — empresa que mede a reputação das lojas virtuais por meio de pesquisas com consumidores reais, gerando dados e táticas para o mercado online —, a Black Friday tem crescido nos últimos três anos em termos de faturamento, ticket médio e quantidade de pedidos, tendência que deve se manter em 2017.

Mas, ao contrário de outras datas de grande movimento no comércio, como Dia dos Pais e Dia das Crianças, na Black Friday as pessoas têm somente um dia para comprar o produto ou serviço que você oferece. Por isso, é importante que empresários e prestadores de serviço planejem e executem tudo o que puderem com antecedência, deixando os dias mais próximos e a própria data para ações que requerem mais urgência.

Além disso, outra característica da Black Friday é a antecipação da expectativa. É necessário despertar o interesse dos potenciais clientes nas semanas anteriores à data para conseguir boas vendas quando ela chegar. Por esse motivo é preciso ter, também, uma estratégia de divulgação organizada.

Faça o certo e não perca clientes:

Quando a Black Friday chegou ao Brasil, as más práticas de algumas empresas causaram revolta nos consumidores. Isso porque algumas lojas aumentavam o preço nas semanas anteriores à data para depois diminuí-los, dando uma falsa impressão de desconto, fazendo que os clientes pagassem “a metade do dobro”.

Por conta disso, surgiram ferramentas como o selo Black Friday Legal e o site de preparação para a Black Friday do Buscapé, que permite ao consumidor monitorar os preços nos últimos meses e identificar o decréscimo real no valor do produto.

Faça promoções reais

Para evitar as más práticas, pense em criar promoções reais, que você possa cumprir. Oferecer descontos não planejados pode deixar você no prejuízo; já promoções enganadoras acabarão com a credibilidade da sua marca.

A sugestão da coordenadora de marketing da ANYMARKET, Ana Maria Cimadon Garcia, é o lojista “negociar com fornecedores, calcular os seus preços corretamente e oferecer descontos reais e atrativos”.

A Black Friday brasileira pode ter ganhado o apelido pejorativo de Black Fraude pelas más práticas de algumas empresas, mas continua sendo uma das datas que mais movimentam o comércio eletrônico no país.

Por isso, planeje-se desde agora para a data e aproveite esse dia para vender mais, fazer novos clientes e fidelizá-los.

Fonte: Resultados Digitais e Ebit

Deixe uma resposta