Mercado aguarda rumos do segundo semestre

O fechamento do primeiro semestre de 2018 traz um panorama mais claro sobre o Setor de Reposição. O Brasil Peças entrevistou dois importantes integrantes da Cadeia para saber como o mercado sente os resultados e o clima dos primeiros meses do ano e também as expectativas para a segunda metade, que conta com duas importantes Feiras (Autopar e Autop) e eleições estaduais e federais. Confira o que disseram:

Edeward Pedro Acerbi

Sócio da Jahu Plásticos e Autopeças

 

JBP: Como tem sido o primeiro semestre de 2018 para a JAHU, quais as principais diferenças que tem notado no mercado e houve algum projeto diferente nesse período?

Jahu: O primeiro semestre de 2018 poderia ter sido melhor, mas não podemos nos queixar. Tivemos crescimento, mas a instabilidade política atual do País sempre afeta muito o consumidor, que sente seus efeitos.

Vamos em busca de soluções e novos projetos, que possam alavancar a empresa e ampliar o nosso campo de atuação.

JBP: No segundo semestre o Brasil vai passar por eleições estaduais e nacional e geralmente esse período gera impacto no mercado. A JAHU acredita em alguma mudança no cenário econômico ou algum reflexo maior dado a expectativa pelas eleições?

Jahu: Em anos anteriores, em época de eleições, o governo injetava mais dinheiro no mercado, com fins eleitoreiros e isso refletia na economia do país. Neste ano, entretanto, a situação é atípica e os financiamentos de campanha sofreram mudanças, o que resulta numa incógnita para todos nós.

JBP:  O mercado de Reposição também aguarda as Feiras (Autopar e/ou Autop) que acontecerão nos próximos meses. Quais as expectativas para ela(s)?

Jahu: As expectativas são boas. Esperamos que o mercado reaja, que as feiras sejam um sucesso e que tragam um bom resultado para nós distribuidores.

 

Sobre a Jahu Plásticos e Autopeças

Inicialmente uma pequena loja, em 1963, em Barra Funda, SP, a Jahu superou os 50 anos como uma das mais importantes fabricantes nacionais de autopeças. Especialista em borrachas, conta com mais de 33 mil itens em seu portfólio.

Gilmar Catirica, Gerente Nacional de Vendas

da Cobra Rolamentose Autopeças

 

JBP: Qual a principal característica a Cobra Rolamentos e Autopeças tem percebido em 2018 e o que  para a empresa e quais as principais diferenças que tem notado no mercado?

Cobra: Esse início de ano nos mostra o quanto temos que trabalhar nas oportunidades do nosso mercado, mesmo com a grande instabilidade político-econômica. Temos notado o crescimento da inadimplência e sentido a necessidade de cuidados com o atendimento de maneira geral.

JBP: Qual a opinião da Cobra sobre o cenário no Brasil, sobretudo em ano eleitoral?

Cobra: Acreditamos que o foco deve ser diário. São inúmeras e imprevisíveis as mudanças no cenário político-econômico. Veja o que nos causou a greve do caminhoneiros, amanhã outras podem surgir.

JBP: O mercado de Reposição também aguarda as Feiras (Autopar e/ou Autop) que acontecerão nos próximos meses. Quais os resultados que esperam ter?

Cobra: Esperamos o fortalecimento do mercado com um melhor relacionamento das fabricantes – mercado de distribuição – com o consumidor final e aplicadores, levando mais soluções inteligentes na manutenção veicular e conceitos sobre aplicações.

 

Sobre a Cobra Rolamentos e Autopeças

A Distribuidora COBRA ROLAMENTOS E AUTOPEÇAS (COBRA – Comercial Brasileira de Rolamentos e Autopeças), fundada em 1987, possui uma gama de produtos e um dos mais completos portfólios do mercado, que contempla hoje mais de 20 mil itens de Rolamentos e Autopeças de conceituadas marca para suprir uma carteira superior a 18 mil clientes nos segmentos automotivo (linhas leve e pesada), agrícola e industrial.

Deixe uma resposta