A indústria de autopeças mais competitiva

competitiva-linha-montagem-fabricas-robot

O mercado brasileiro de autopeças passa por uma excelente fase competitiva, com previsão de faturar 8,26 bilhões de dólares este ano, segundo projeção do Sindipeças – Sindicato Nacional da Indústria de Componentes Automotivos. Nem a greve dos caminhoneiros que atingiu o país em maio desanimou o setor, que tem se recuperado mais que outros segmentos da indústria, motivado principalmente pela retomada das vendas de veículos nos mercados interno e externo. Para se manter no topo, esta indústria precisa aderir, em definitivo, à Transformação Digital.

 O aumento da competitividade, em especial no que diz respeito às exportações, vem com investimentos tanto no quadro de colaboradores quanto na produção, defende o Sindipeças. Este é um setor que nós da Zebra entendemos muito bem, estando há mais de uma década ao lado das empresas que buscam atingir e manter um alto nível de eficiência em seus processos. Por isso, afirmo que parte desses investimentos deve se focar na adoção de tecnologias capazes de trazer maior visibilidade operacional, prazos de entrega mais rápidos, menos erros de logística, um inventário mais funcional e maior precisão no armazenamento e no reabastecimento dos produtos. Tudo isso, claro, complementado por uma redução significativa de custos.

Fica muito mais fácil localizar um produto ou a origem de um possível problema por meio de sensores, computadores móveis de leitura que oferecem bateria de longa duração e conectividade e tecnologia de escaneamento, que permitem criar um registro completo de cada produto enquanto ele passa por todas as etapas de instalações na manufatura. Etiquetas de sensor, leitoras e scanners ajudam a identificar, isolar e eliminar problemas de qualidade – como possíveis defeitos em peças, o que pode comprometer o relacionamento com o cliente de forma irreversível – antes que eles afetem a produtividade. Códigos de barras e sensores móveis ajudam a responder rapidamente a alertas e alarmes, otimizar a manutenção e impedir que o tempo de parada atrapalhe os negócios.

A adoção dessas tecnologias trouxe benefícios claros para diversas empresas do segmento. Como para a Auto Partes y Más S.A. (APYMSA), principal fabricante de autopeças do México. Para citar apenas parte dos investimentos da APYMSA na transformação de seus negócios, todos os quase 20 mil produtos de seu estoque são hoje registrados com o scanner LI2208 e seus códigos de barra, impressos em impressoras ZT410 para garantir a identificação e monitoramento em tempo real, da entrada no depósito ao destino final. Isso agilizou a verificação de estoques, a validação de pedidos e a entrega em tempo hábil ao cliente.

Em resumo: quando falamos em manufatura, o tempo nunca é um aliado. O controle e a tomada de decisões devem ser feitos em tempo real. Rastreabilidade, controle de qualidade e gestão eficiente de ativos são as questões básicas para que este setor mantenha a competitividade e continue surfando a boa onda que se apresenta.

 

Deixe uma resposta