Balança comercial com US$ 6,6 bilhões de superávit em agosto

174

A balança comercial brasileira registrou um superávit em agosto de US$ 6,6 bilhões. Isso significa dizer que, no período, o país exportou mais do que importou. As exportações, no mês passado, somaram US$ 17,7 bilhões; e as importações, US$ 11,1 bilhões. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (1) pela Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia.

“Esse saldo comercial de US$ 6,6 bilhões aumentou quase 70% (68,9%) em relação ao saldo de agosto do ano passado. É o melhor para meses de agosto da série histórica. O maior anterior havia sido em agosto de 2017, de US$ 5,6 bilhões”, disse o subsecretário de Inteligência e Estatísticas de Comércio Exterior, Herlon Alves Brandão.

Mesmo com o superávit, o valor das exportações em agosto teve queda de 5,5% e as importações registraram um recuo de 25,1% em comparação ao mesmo período.

Acumulado de 2020

No acumulado deste ano, ou seja, de janeiro a agosto, a balança comercial registrou superávit de US$ 36,6 bilhões, 14,4% maior do que o saldo de 2019, que foi de US$ 32,2 bilhões. Segundo o Ministério da Economia, nos primeiros oito meses deste ano, o Brasil exportou US$ 138,6 bilhões e importou, US$ 102 bilhões.

Agropecuária

No mês passado, comparando com igual mês do ano anterior, o setor que mais se destacou nas exportações, pela média diária, foi o de Agropecuária, que registrou um crescimento de US$ 24,13 milhões, de 14,6%.

Exportações foram maiores para a Ásia

Segundo o secretário, em agosto, as exportações brasileiras para a Ásia tiveram destaque. “Cresceram 8,7%; e não só para a China. Pra China, apresentou um crescimento de 13,4%, mas ASEAN (Associação de Nações do Sudeste Asiático) também cresce bastante como destino das exportações brasileiras; e; no mês; houve aumento de 12,8%”, disse.

superávit em agosto

Previsão saldo 2020

A expectativa do Ministério da Economia para 2020 do saldo da balança comercial brasileira é de US$ 55,4 bilhões. “Isso significa um aumento de 15,2% em relação ao saldo de 2019”, disse Brandão. Esse resultado, segundo ele, deve ser revisto em setembro. “Faltam quatro meses para fechar o ano; e esses quatro meses vão pesar menos no resultado total do ano. Então, é possível que os resultados das quedas, tanto de exportação quanto de importação, sejam menores do que estamos projetando”, finalizou. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.