Banco Central mantém Selic em 6,5%

selic-taxa-BC

O Banco Central (BC) manteve, mais uma vez, a Selic em 6,5%. A taxa está nesse patamar desde o fim do ciclo de quedas em março. Essa medida está em consonância com as incertezas eleitorais, que começam a ser dissipadas neste mês, avalia a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). De acordo com a Entidade, entretanto, ainda é tudo muito recente e o Banco Central não tem condições de avaliar com precisão quais são os ditames da futura equipe econômica. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), agora projetado, se elevou um pouco acima da casa dos 4%, por conta do aumento do preço de alimentos em junho e julho, e depois pela pressão cambial mais recente.

Para a Federação, não há indícios de fortes pressões adicionais no curto prazo e, por isso, não há necessidade de retomar o ciclo de alta de juros. No entanto, entende que o Banco Central não quer ousar demais diante das incertezas e reduzir a Selic abaixo dos atuais 6,5%.

Combinada com as expectativas de inflação (IPCA), a taxa de juros real deste ano pode fechar próxima ao patamar de 2% a 2,5%, relativamente baixa para padrões brasileiros, mas que não geram riscos à meta de inflação por enquanto.  Para a FecomercioSP,  talvez o Banco Central possa tomar uma decisão mais ousada na última reunião desse ano se pelo menos duas coisas acontecerem: clareza do que será feito na política econômica; e se os indicadores de inflação voltarem a ceder entre outubro e novembro para que as projeções para 2018 e 2019 fiquem mais perto de 4% do que de 4,5%.