Câmara analisará Marco Regulatório de transporte de cargas

224
transporte de cargas

De acordo com o IBGE, 61% dos transporte de cargas são realizado via rodovias. Entre outras coisas, medida estabelecerá regras para relação entre motoristas e empregadores

Os transportadores de carga terão uma regulamentação própria que será analisada pela Câmara dos Deputados. A minuta do Marco Regulatório do Transporte Rodoviário de Cargas (MR-TRC) tomou os contornos finais pela autora do projeto, deputada federal Christiane Yared (PR-PR). O documento apresenta um conjunto de 64 medidas que vão regulamentar as relações entre caminhoneiros, transportadoras, motoristas autônomos e clientes. A expectativa é que a Comissão Especial criada para analisar o projeto finalize o trabalho até o fim deste ano.

Entre as medidas propostas por Yared, a qualidade de vida dos caminhoneiros ganhou destaque. Com as recorrentes denúncias de motoristas que viram noites para bater metas nas entregas, a parlamentar determinou um período mínimo de 8h de descanso diário.

“A economia do país é levada sobre rodas. O motorista precisa de tempo de descanso para não dormir ao volante, nem usar remédios para ficar acordado. Isso é para a segurança de todos na via, evita acidentes que transformam famílias inteiras em vítimas. É desumano com o caminhoneiro”, apontou Yared, que também quer dividir os custos dos seguros de vida e da carga entre patrão e empregado. Hoje, todo o custo fica sob responsabilidade do motorista.

Outra preocupação da deputada é com o tempo que o caminhoneiro fica parado na fila dos portos antes de descarregar o material. Atualmente, as empresas contam essa espera como um descanso para o empregado. A nova legislação pretende que o período seja contabilizado como horas trabalhadas. “Nesse conjunto de medidas estamos nos preocupando com as empresas, empregados, motoristas autônomos. É uma preocupação geral para garantir o direito de todos os setores”, completou.

De acordo com o IBGE, 61% das cargas no Brasil são transportadas por rodovias. Mesmo assim o país ainda não apresenta uma diretriz que rege o setor, e apresenta várias lacunas na legislação. “Todo mundo sai ganhando. A carga vai chegar ao destino em segurança, sem acidentes e vítimas no caminho, a transportadora terá toda garantia que a carga vai chegar em perfeita condição. Quando protegemos a vida, o país inteiro ganha”, defendeu a congressista paranaense. Ela explicou que o projeto foi pensado para proteger os direitos de todos os envolvidos no transporte rodoviário de cargas.

Após ser aprovado pela Comissão Especial que analisará a medida, o Marco Regulatório do Transporte Regulatório de Cargas-TRC seguirá para votação no plenário do Senado Federal. A expectativa é que a primeira etapa seja concluída até o fim do ano pelos parlamentares.

                Agência Câmara

Yared: pelo fim dos excessos nas estradas

Alta | Web

edida estabelecerá regras para relação entre motoristas e empregadores

Os transportadores de carga terão uma regulamentação própria que será analisada pela Câmara dos Deputados. A minuta do Marco Regulatório do Transporte R odoviário de Cargas (MR-TRC) tomou os contornos finais pela autora do projeto, deputada federal Christiane Yared (PR-PR). O documento apresenta um conjunto de 64 medidas que vão regulamentar as relações entre caminhoneiros, transportadoras, motoristas autônomos e clientes. A expectativa é que a Comissão Especial criada para analisar o projeto finalize o trabalho até o fim deste ano.

Entre as medidas propostas por Yared, a qualidade de vida dos caminhoneiros ganhou destaque. Com as recorrentes denúncias de motoristas que viram noites para bater metas nas entregas, a parlamentar determinou um período mínimo de 8h de descanso diário.

“A economia do país é levada sobre rodas. O motorista precisa de tempo de descanso para não dormir ao volante, nem usar remédios para ficar acordado. Isso é para a segurança de todos na via, evita acidentes que transformam famílias inteiras em vítimas. É desumano com o caminhoneiro”, apontou Yared, que também quer dividir os custos dos seguros de vida e da carga entre patrão e empregado. Hoje, todo o custo fica sob responsabilidade do motorista.

Outra preocupação da deputada é com o tempo que o caminhoneiro fica parado na fila dos portos antes de descarregar o material. Atualmente, as empresas contam essa espera como um descanso para o empregado. A nova legislação pretende que o período seja contabilizado como horas trabalhadas. “Nesse conjunto de medidas estamos nos preocupando com as empresas, empregados, motoristas autônomos. É uma preocupação geral para garantir o direito de todos os setores”, completou.

De acordo com o IBGE, 61% das cargas no Brasil são transportadas por rodovias. Mesmo assim o país ainda não apresenta uma diretriz que rege o setor, e apresenta várias lacunas na legislação. “Todo mundo sai ganhando. A carga vai chegar ao destino em segurança, sem acidentes e vítimas no caminho, a transportadora terá toda garantia que a carga vai chegar em perfeita condição. Quando protegemos a vida, o país inteiro ganha”, defendeu a congressista paranaense. Ela explicou que o projeto foi pensado para proteger os direitos de todos os envolvidos no transporte rodoviário de cargas.

Após ser aprovado pela Comissão Especial que analisará a medida, o Marco Regulatório do Transporte Regulatório de Cargas-TRC seguirá para votação no plenário do Senado Federal. A expectativa é que a primeira etapa seja concluída até o fim do ano pelos parlamentares.

                Agência Câmara

Yared: pelo fim dos excessos nas estradas

Alta | Web

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.