Kyoto – Carro elétrico é solução para redução de emissões

1
16
estufa-efeito-emissões de gases-carro elétrico-carro verde-kyoto-japão

Em 2005, quando o protocolo de Kyoto (tratado internacional para redução de emissões) entrou em vigor, a frota global de veículos elétricos não passava de algumas centenas de unidades. Doze anos depois, em 2017, foram vendidos mais de três milhões de carros elétricos e neste ano serão quatro milhões até setembro.

A necessidade de reduzir as emissões de gases efeito estufa fez os países da Europa, Estados Unidos e Japão investirem pesado no setor, como expectativa de que até 2020 sejam comercializados mais de 20 milhões de carros elétricos no mundo. Os investimentos previstos apenas de nove empresas são de R$ 560 bilhões até 2022.

No Brasil o segmento ainda é incipiente. Foram vendidas no ano passado 3.296 unidades, o triplo do que foi vendido em 2016 (1.091), portanto nada comparado com países da Europa e Ásia.

De qualquer forma o carro elétrico não é uma necessidade imperiosa no Brasil como em outros mercados, onde a questão ambiental exige a redução drástica de emissões, afinal, o etanol já é o suficiente para a redução de emissões de gases.

Kyoto De qualquer forma o carro elétrico não é uma necessidade imperiosa no Brasil como em outros mercados, onde a questão ambiental exige a redução drástica de emissões, afinal, o etanol já é o suficiente para a redução de emissões de gases.De qualquer forma o carro elétrico não é uma necessidade imperiosa no Brasil como em outros mercados, onde a questão ambiental exige a redução drástica de emissões, afinal, o etanol já é o suficiente para a redução de emissões de gases.De qualquer forma o carro elétrico não é uma necessidade imperiosa no Brasil como em outros mercados, onde a questão ambiental exige a redução drástica de emissões, afinal, o etanol já é o suficiente para a redução de emissões de gases.

1
Deixe um comentário

Deixe uma resposta

  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of

[…] a diminuição, o IPI dos elétricos será equivalente ao dos carros populares com motores flex 1.0. “A tributação do veículo […]