O impacto da “guerra das maquinhas” na economia

481
Cartão de Crédito-Rede-Cielo-GetNet-guerra das maquininhas

A isenção das taxas para antecipar o pagamento das vendas por cartões de crédito é o novo front da “guerra das maquininhas” e tem movimentado os principais players do mercado nacional de meios de pagamento.

As maiores empresas do setor – Rede, GetNet e Cielo – anunciaram a redução do prazo de pagamento ao lojista (antecipação de recebíveis) e da taxa de juro cobrada.

A medida é uma tendência global, de acordo com Guilherme de Almeida Prado, mestre em Administração de Empresas pela FGV. No mundo, o prazo de pagamento aos lojistas é de dois dias, o chamado D+2; a operação de pagamento após um mês é uma “jabuticaba”, ou seja, só ocorre no Brasil.

Na visão de Almeida Prado, a “guerra das maquininhas” vai ter impacto positivo enorme na economia – sobretudo pelo tamanho do mercado nacional de meios eletrônicos de pagamento. De acordo com a Associação das Empresas Brasileiras de Cartão de Crédito e Serviços (Abecs) as vendas com cartão de crédito somaram R$ 965 bilhões.

“Para se ter uma ideia, apenas a Cielo movimentou R$ 364 bilhões em transações com cartões de crédito em 2018, de acordo com dados da própria empresa. Desses, a Cielo antecipou R$ 59 bilhões, gerando uma receita para empresa de R$ 1,5 bilhão.

O que estamos falando é que parte desses R$ 60 bilhões que a companhia antecipou em 2018, vai virar capital de giro para as empresas esse ano. E boa parte dessa receita de R$ 1,5 bilhão (Cielo) será transferida para os varejistas e empresas que vendem com cartão”, analisa Almeida Prado.

“O cenário é muito favorável, sobretudo para um comerciante que recebia em 30 dias e passa a contar com a opção de receber à vista sem arcar com os custos com a antecipação. Esse valor, antes gasto para antecipar, pode ser investido no negócio.

Para quem não antecipava, o negócio passou a ter capital de giro liberado na hora”, avalia. De acordo com o especialista, no exemplo de um restaurante por quilo, que fatura R$ 100 mil, se 30% das vendas são feitas a crédito, esse empreendedor recebia R$ 30 mil somente em 30 dias.

Agora, passa a ter essa soma à vista. Se esse mesmo restaurante antecipava esses R$ 30 mil a 5% ao mês, ele vai deixar de gastar aproximadamente R$ 1.500,00 com a antecipação. É um dinheiro a mais que vai “surgir” todo mês para o empreendedor investir no seu negócio.

Segundo o especialista, essa “guerra das maquininhas” é resultado do amadurecimento do setor financeiro nacional; das novas regulações do Banco Central; e do impacto que a tecnologia causou à essa indústria. “A competição está gerando prazos mais curtos para recebimento, taxas de juro do rotativo mais baixas e intercâmbio mais baixo. De um mercado com poucos atores – bancos, majoritariamente –, passamos a ter diversos novos players”, finaliza.

Guilherme de Almeida Prado,
fundador da Konkero, maior
portal de finanças pessoais do Brasil,

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.