Indústria aposta nas aplicações do alumínio para o segmento automotivo

Impacto ambiental e sustentabilidade estão entre os principais benefícios das aplicações do alumínio na indústria automotivo

A diversidade na utilização, bem como os benefícios oferecidos, tornou a aplicação do alumínio uma das principais tendências mundiais para a indústria automotiva. Este tipo de metal apresenta inúmeras vantagens quando comparado a outras variedades, como o aço, por exemplo. O alumínio é leve, não é corrosivo para os fluidos veiculares, apresenta índice elevado de troca térmica, absorve maior energia de impacto e é de fácil montagem em sistemas de aplicação automotiva. Todos estes benefícios são muito importantes, mas talvez o fato do Alumínio ser um metal com superioridade em relação à sustentabilidade, o torna uma opção ainda mais relevante para o setor automotivo. Mas, antes de tudo, é bom conhecer quais são as principais aplicações do alumínio na indústria automotiva.

Atualmente, a tecnologia permite o uso de ligas de alumínio de boa resistência mecânica e com entrega de performance mesmo em temperaturas mais elevadas, o que possibilita a utilização do material nos mais diversos conjuntos e sistemas automotivos. A indústria tem investido em aplicações do alumínio desde os detalhes decorativos, como frisos, painéis e encaixes, passando pelo chassi estrutural e rodas de liga leve e até mesmo no conjunto de motorização, como cabeçote do motor e pistões. Quando especificamos os tubos de alumínio, quem também ganha destaque são os sistemas de condução de fluidos para refrigeração, como o ar-condicionado, sistemas de arrefecimento, assim como os sistemas de acionamento que dependam do transporte de fluidos para o funcionamento. 

Cada um destes componentes usufrui de benefícios específicos quando utilizado o alumínio em sua produção. A motorização, por exemplo, tem considerável ganho de torque e potência, consequentes do baixo peso e alta condutividade térmica do metal. Já em relação a parte estrutural, que corresponde a até 30% do peso total do veículo, pode ter uma redução de 40 a 50% neste número e um aumento de 60% na rigidez em relação ao aço, de acordo com dados da ABAL – Associação Brasileira do Alumínio, o que garante melhor performance do automóvel e mais segurança para os passageiros.

Mesmo com todos os benefícios oferecidos pelas aplicações de alumínio para o setor automotivo, o Brasil ainda tem uma longa estrada a percorrer neste cenário. A aplicação de alumínio em automóveis normais no Brasil tem uma média de 28 Kg de alumínio por veículo. Nos Estados Unidos, por exemplo, essa média é de quase 90 Kg, chegando a quase 120 Kg no Japão.

O impacto sustentável do alumínio na indústria automotiva

Hoje em dia, com a agenda ambiental sendo fator de preocupação para todos os países é imprescindível lembrar da importância do uso do alumínio na questão de preservação de recursos do planeta. De um modo geral, é um metal infinitas vezes reciclável que não altera suas propriedades quando reciclado, economizando, a cada ciclo, 95% de energia quando comparado ao consumo energético que teria, caso produzido a partir do minério (Bauxita). Quando reciclado, produz um volume 19 vezes menor de particulado na atmosfera que seu equivalente em peso produzido a partir do minério. Além disso, sua reciclagem preserva por mais tempo as reservas do minério, que no Brasil representam anualmente mais de 3 milhões de toneladas de Bauxita que deixam de ser processadas, com a consequente preservação de solo e paisagem.

Enfim, para o setor automotivo, sem dúvidas, o alumínio é uma grande alternativa. Por ser extremamente leve, permite melhor desempenho com a consequente economia de combustível, despejando menor volume de CO² na atmosfera, além de prolongar a vida útil de componentes. Se levarmos em consideração os dados em aplicação do alumínio em automóveis no Brasil, ainda temos muita oportunidade de colaborar com a sustentabilidade do planeta.

Luiz Henrique Caveagna, Diretor Geral da Termomecanica, empresa líder na transformação de cobre e suas ligas.

Escrito por Luiz Henrique Caveagna