Indústria cresce em 11 locais e 9 superam patamar pré-pandemia

175

Patamar pré-pandemia – Após as paralizações devido à pandemia, 11 de 15 estados brasileiros pesquisados, ampliaram o retorno à produção do setor industrial.

Divulgado pelo IBGE, o PIM-Regional, Pesquisa Industrial Mensal, mostra resultados positivos e nove estados recuperam o patamar de produção pré-pandemia: Amazonas, Ceará, Minas Gerais, Goiás, São Paulo, Pará, Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul.

São Paulo, teve o principal impacto positivo no índice do mês (2,6%) e é o estado com maior peso na indústria. Segundo Bernardo Almeida, gerente da pesquisa, a influência paulista vem do setor automotivo, que também foi a principal atividade na média nacional. “A alta de 5,0% foi a quinta taxa positiva consecutiva de São Paulo.  Nesse período, o estado já acumulou um ganho de 46,6% e está 4,4% acima do patamar de produção de fevereiro de 2020”, informa.

Com alta de 7,7%, o Paraná apresenta o maior resultado em magnitude e o segundo impacto positivo no índice. “No caso do Paraná, a influência positiva veio, além do setor de veículos, do setor de máquinas e equipamentos”, explica Almeida. Esta já é a quinta taxa positiva consecutiva, acumulando ganho de 46,2%. Paraná também já alcançou o patamar pré-pandemia, ficando 0,5% acima do nível de produção de fevereiro.

Já o Rio de Janeiro, com queda de 3,1%, teve o pior impacto negativo na indústria nacional. “O Rio de Janeiro vinha de quatro altas consecutivas, período que acumulou um ganho de 19,8%. Porém, com o recuo do mês de setembro, o estado volta a ficar num patamar 2,6% abaixo do nível de fevereiro”, ressalta o gerente da pesquisa.

Patamar pré-pandemia

Comparado a setembro de 2019

Com relação a setembro de 2019, a alta de 3,4% da produção industrial nacional foi acompanhada por 12 dos 15 estados pesquisados. ”Este é o primeiro resultado positivo após dez meses de quedas, desde novembro de 2019”, comenta Almeida.

Fonte: IBGE

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.