Tecnologia puxa indústria para baixo

272

Tecnologia puxa indústria – O PIB industrial brasileiro já acumula dois trimestres consecutivos de retração. O setor foi o principal responsável pelo recuo na atividade econômica no primeiro trimestre do ano.

Embora alguns fatores pontuais tenham contribuído para o resultado global, a perda registrada pelo setor industrial mais sofisticado sinaliza a possibilidade de um quadro mais grave adiante, segundo um estudo do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) obtido com exclusividade pelo Estadão/Broadcast.

Na indústria de transformação, o mau desempenho foi puxado pelo parque fabril de alta intensidade tecnológica, que possui maior produtividade e elevado encadeamento com outros segmentos da economia.

A produção desse segmento despencou 12,5% no primeiro trimestre de 2019 em relação a igual período do ano anterior, depois de já ter registrado uma queda de 1,5% no quarto trimestre de 2018.

expansão do Produto Interno Bruto, PIB, previsão do PIb, confiança do consumidor,, produção indústrial,Tecnologia puxa indústria

Nenhum ramo industrial da faixa de alta intensidade tecnológica conseguiu crescer em 2019. O segmento ainda convive com o avanço da penetração de insumos importados, com risco de desarticulação dessas cadeias produtivas.

“Essas atividades são a porta de entrada para as novas tecnologias, é importante que resistam, para assegurar o papel que o Brasil ainda desempenha no mundo.

Esse setor de alta intensidade entrar em crise é fechar uma janela, significa que nossos problemas de competitividade e produtividade ficarão ainda maiores”,explicou Rafael Cagnin, economista-chefe do Iedi e responsável pelo estudo.

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments

[…] que havia se perdido no primeiro trimestre. Entre os três grandes setores, a agropecuária e a indústria apresentam taxas negativas, salvando-se os serviços que já apresenta taxas positivas há dez […]